SEGUIDORES

sexta-feira, 26 de abril de 2013

SÁBADO 27/04/2013 - NOVA TURMA DE ESDE NO AVE LUZ


 

“O ESDE tem-se mostrado um eficiente método de estudo”


Marlene e Mário Gonçalves
Radicado em Ribeirão Preto, o conhecido casal vem-se dedicando com afinco há vários anos à divulgação e expansão do ESDE – Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita.

Marlene Fagundes Carvalho Gonçalves  e seu esposo Mário Gonçalves Filho (foto), ele nascido em Ribeirão Preto-SP e ela em São Paulo-SP, ambos em lar espírita, atualmente residentes em Ribeirão Preto, dedicam-se com afinco à expansão do conhecido ESDE (Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita). Marlene é pedagoga e professora universitária, Mário é administrador, ambos estão ligados a instituições espíritas da cidade e à USE – União das Sociedades Espíritas, no âmbito estadual e intermunicipal. Dedicados à divulgação e estímulo do citado programa de estudos, trazem importantes respostas para apreciação dos leitores, na entrevista a seguir.

Expliquem ao leitor o que é o ESDE? 
Mário: ESDE é a sigla para Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita. Trata-se de um programa de estudo metódico, contínuo e sério do Espiritismo, com níveis graduais e sequenciais de estudos doutrinários. É fundamentado na codificação espírita e em obras complementares reconhecidamente importantes. Foi lançado pelo Conselho Federativo Nacional da Federação Espírita Brasileira em novembro de 1983, em atendimento às expectativas do Movimento Espírita. 

Quais as características do ESDE? 
Marlene: O ESDE é um curso de 3 anos com encontros semanais de 90 minutos. O seu conteúdo é organizado em módulos que seguem a ordem sequencial dos assuntos de O Livro dos Espíritos, facilitando que os conhecimentos sejam apreendidos. É importante que se constitua um grupo para o início do estudo e que seus participantes permaneçam nesse grupo até o fim do programa, não havendo ingresso de novas pessoas, para o mesmo grupo, durante seu desenvolvimento. Os módulos são complementares, os assuntos são inter-relacionados, e o vínculo entre todos é fundamental para seu bom  desenvolvimento. 

Qual o grande aspecto pedagógico do programa? 
Marlene: É essencialmente um estudo em grupo, que facilita a apropriação do conhecimento porque estimula os participantes a trocarem informações e experiências, propiciando-lhes não apenas a construção do seu próprio entendimento do Espiritismo, mas também o desenvolvimento de suas qualidades morais pelas reiteradas oportunidades de interação grupal. Por isso se diz que o ESDE não é só um roteiro de estudo, mas um jeito de estudar, que envolve a participação ativa de todos os seus integrantes. 

Como pode ser implantado pelas instituições interessadas? 
Mário: A implantação é muito simples. Evidentemente, como toda atividade da Casa Espírita, esta também requer um planejamento que envolve a formação de uma equipe, o cronograma de funcionamento para os três anos de atividades de cada turma que é iniciada, estratégias para sua divulgação etc. Como o ESDE é um trabalho de âmbito nacional, em primeiro lugar as instituições interessadas em conhecê-lo podem buscar as informações detalhadas no site da FEB: www.febnet.org.br ou no site da federativa do Estado em que a instituição esteja sediada. Para informações detalhadas, visite o site www.usesp.org.br, para ver o calendário de atividades. Para outras informações escreva para o e-mail: esde@usesp.org.br

Há dificuldades de implantação? Quais as principais dúvidas, por exemplo? 
Marlene: As dificuldades referem-se à insegurança que em geral temos em lidar com o novo, com mudanças. Os novos monitores perguntam: - Se as pessoas não falarem nada, não participarem? Acabamos por subestimar as pessoas, e se dermos oportunidades para participarem, veremos que todos têm experiências e possibilidades de colaborar no aprendizado do grupo. Outras questões: E se fizerem uma pergunta e eu não souber responder? Por se tratar de um estudo em grupo, isto distribui a todos a responsabilidade de pesquisar e buscar respostas, sendo que o nosso ponto de referência é sempre Kardec. Ao monitor cabe coordenar, conduzir e auxiliar nesse processo. 

Como tem sido a repercussão do trabalho nesses anos todos de dedicação à iniciativa? Quantas instituições já o implantaram? 
Mário: Iniciamos em 2005 o trabalho de divulgação e implantação do ESDE no Estado de São Paulo, e desde o início a proposta foi muito bem aceita e tem-se multiplicado o número de grupos que se formam por todo o Estado. O número real das instituições paulistas que já implantaram o ESDE é desconhecido. Mas, baseados nas notícias que nos chegam diariamente e pelos cursos de monitores e encontros que promovemos, estimamos que existam cerca de 120 instituições e mais de 300 grupos de ESDE no Estado de São Paulo. Se considerarmos 14 participantes em média por grupo, chegamos a cerca de 4.200 pessoas estudando o Espiritismo por intermédio desse programa. 

Como envolver e motivar o público para participar efetivamente? 
Marlene: Divulgando a proposta. Quem teve a oportunidade de ver de perto o material, de conversar com as pessoas que fizeram o ESDE, de conhecer do que se trata, envolve-se e busca não só participar do curso, mas também divulgar e levar, para outras casas e cidades, essa proposta de estudo. 

Cite um fato marcante já observado? 
Marlene: Fatos marcantes que temos observado referem-se à transformação que ocorre nos participantes. Transcrevo abaixo fragmentos de depoimentos de dois participantes do ESDE que ilustram o que estou dizendo:  
“Quando minha esposa comunicou a nossa inscrição para o curso da Doutrina Espírita, alegando a minha inconstância em frequentar as reuniões, pois há muito eu as negligenciava, confesso, concordei única e exclusivamente para lhe ser agradável. Imaginei quanto seriam lentas e maçantes as duas horas programadas, resignei-me encarando o compromisso. (...) Entretanto, após a terceira ou quarta aula, assimilando a forma inovadora, pelo menos para mim, na condução dos trabalhos, a didática informal, franca e de certa forma divertida, o comportamento do grupo e, principalmente, as trocas de conceitos e informações, as dúvidas sendo esclarecidas, tudo mudou. De acordo com o relato de uma colega, que a princípio estava receosa e introvertida, logo se sentia segura expondo com tranquilidade as análises e conclusões de seus estudos, resultados estes que nos levaram a uma mudança radical de comportamento, passando, no meu caso, da obrigação ao interesse, e a ela, autoconfiança e, consequentemente, a uma participação mais efetiva. (...)”. 
“Desde minha adolescência, sempre pensei que me considerava um espírita, pois acreditava, da minha forma, na reencarnação, na comunicabilidade entre vivos e mortos, na existência de Deus, em outros mundos habitados e nos fenômenos mediúnicos. Mas era um conhecimento muito superficial. (...) Aos poucos, através da leitura, do interesse e da presença em casas espíritas, fui entendendo melhor. Lia um livro, assistia a um estudo, ouvia uma palestra. Os conhecimentos iam-se somando. Mas ainda tinha um problema: as ideias estavam desorganizadas, desordenadas, soltas. Precisava encontrar um estudo que organizasse e desse uma sequência lógica nos meus raciocínios. Um estudo ordenado e metódico. Visitando a feira do livro espírita deste ano, além dos livros, encontrei o que precisava, através da divulgação do ESDE - Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita, que como o próprio nome já diz, é um estudo sequencial, um sistema.(...) E o que o título (ESDE) sugeria realmente se confirmou. Vou usar um pleonasmo: comecei pelo começo”. 

Quais os números - eventos realizados, instituições, cidades, participantes etc. - do ESDE? 
Mário: Desenvolvemos o trabalho com a assessoria de 4 equipes regionais, sediadas em São Paulo, Ribeirão Preto, Bauru e Sorocaba. Cada um desses polos realiza em suas áreas diversas apresentações sobre o que é o ESDE e como implantá-lo, além de cursos para novos monitores, e também reuniões que visam ao aprimoramento contínuo do trabalho. Anualmente realizamos um encontro estadual de monitores. No ano passado, ele foi realizado em julho, na cidade de Bauru. Nessa oportunidade participaram 170 companheiros, representando as seguintes cidades paulistas: Araraquara, Pitangueiras, Ribeirão Preto, Ourinhos, Sorocaba, Guarulhos, Santo André, São Paulo, Cotia, Piracicaba, Pirajuí, Macatuba, Porto Feliz, Guarulhos, Bariri, Mineiros do Tietê, Itaberá, Matão, Itapeva, Sorocaba, Marília. Registrou-se também a participação das cidades de Uberaba-MG e Rio de Janeiro-RJ. 

Quais os próximos eventos planejados e onde? 
Mário: Durante todo o ano, realizamos diversos cursos para formação de novos monitores. As datas e locais destes cursos podem ser conhecidos pelo site www.usesp.org.br. Destacamos para 2013 a realização do 5º ENCONTRO PAULISTA DE MONITORES DO ESDE que será realizado em São Paulo, com data prevista para os dias 7 e 8 de setembro. 

Algo que gostariam de acrescentar? 
Marlene: A necessidade de se estudar as obras básicas é consenso em todo o movimento espírita. Entre as várias possibilidades de se fazer isso, o ESDE tem-se mostrado um eficiente método de estudo, em diferentes instituições de todas as regiões do país. Sua implantação, bem como sua aplicação, é simples. O material está disponível gratuitamente no site da Federação Espírita Brasileira, ou pode ser adquirido, em formato de livro, nas livrarias e distribuidoras.

Entrevista de:- ORSON PETER CARRARA
orsonpeter92@gmail.com
Matão, SP (Brasil)

Nenhum comentário: