SEGUIDORES

sábado, 7 de agosto de 2010

NOSSO LAR - TRILHA SONORA


Está disponível na Rádio UOL a Trilha de Nosso Lar (Exceto o Tema do André Luiz)Acesse o Link: http://www.radio.uol.com.br/#/album/philip-glass/nosso-lar---trilha-sonora/20696?cmpid=clink-rad-alPARA COMPRAR ACESSE O SITE
http://www.biscoitofino.com.br/bf/cat_produto_cada.php?id=635
NOSSO LAR
Philip Glass é o autor da trilha sonora do filme
Nosso Lar, o longa-metragem dirigido por Wagner de Assis, inspirado no livro homônimo de Chico Xavier, já está entre os filmes brasileiros lançados em 2010 com o maior número de público. Em 2011 será exibido nas salas de cinema dos Estados Unidos. A trama usa efeitos especiais para mostrar a trajetória do médico André Luiz em um mundo espiritual, onde passa a viver após sua morte. Philip Glass, convidado para compor a trilha sonora do filme não se deixou intimidar com a temática espírita e o CD com sua música está sendo lançado agora pela Biscoito Fino.
O compositor norte-americano, um dos mais influentes do final do século XX, além de já ter feito música para vários filmes americanos e ingleses - foi indicado três vezes ao Oscar – por As Horas, Notas sobre um Escândalo e Kundun – é o autor da trilha sonora do filme brasileiro Jenipapo, de 1995, de Monique Gardenberg.
Mas Glass conheceu o Brasil há muito mais tempo, em 1980, quando participou de um festival de jazz no Rio. Gostou tanto que ficou por aqui um tempo, estudando português, assistindo aos desfiles das escolas de samba e conhecendo vários músicos. Anos depois trabalhou com o grupo Uakti, de Minas Gerais e fez um balé para o Grupo Corpo, também mineiro.
Nosso Lar ainda não estava pronto quando foi convidado para fazer a trilha sonora. Encontrou-se com os produtores em Nova York e assistiu uma boa parte do filme, o suficiente para que pudesse trabalhar. Ele diz que não é bom fazer a música com o filme pronto, nunca dá muito certo, pois o diretor fica sem tempo para inseri-la como deve.
Com os oito temas – divididos em 10 faixas - de Glass prontos, a produção concluiu que precisaria de uma orquestra e procurou a OSB - Orquestra Sinfônica Brasileira. O produtor musical Guto Graça Mello se encarregou da edição e os arranjos e orquestrações ficaram a cargo de Trevor Gureckis, com regência de Marcos Arakaki. É o maestro quem explica que Glass conseguiu captar bem o clima das cenas, contribuindo com sua música para a emoção do filme.
www.biscoitofino.com.br
Assessoria de imprensa Biscoito Fino
Sidimir Sanches
_________________
FAIXAS

01 Abertura / Opening
Autores: Philip Glass
Intérprete: OSB - regência: Marcos Arakaki
Editora: Dunvagen Music Publishers Inc.(EMI)

02 Sombra / Shadow
Autores: Philip Glass
Intérprete: OSB - regência: Marcos Arakaki
Editora: Dunvagen Music Publishers Inc.(EMI)

03 Câmaras / Chamber's
Autores: Philip Glass
Intérprete: OSB - regência: Marcos Arakaki
Editora: Dunvagen Music Publishers Inc.(EMI)

04 Nosso Lar
Autores: Philip Glass
Intérprete: OSB - regência: Marcos Arakaki
Editora: Dunvagen Music Publishers Inc.(EMI)

05 Tema de André / André's Theme
Autores: Philip Glass
Intérprete: OSB - regência: Marcos Arakaki
Editora: Dunvagen Music Publishers Inc.(EMI)

06 Família de André / André's Family
Autores: Philip Glass
Intérprete: OSB - regência: Marcos Arakaki
Editora: Dunvagen Music Publishers Inc.(EMI)

07 Eloísa / Eloise
Autores: Philip Glass
Intérprete: OSB - regência: Marcos Arakaki
Editora: Dunvagen Music Publishers Inc.(EMI)

08 Guerra / War
Autores: Philip Glass
Intérprete: OSB - regência: Marcos Arakaki
Editora: Dunvagen Music Publishers Inc.(EMI)

09 Mãe de André / André's Mother
Autores: Philip Glass
Intérprete: OSB - regência: Marcos Arakaki
Editora: Dunvagen Music Publishers Inc.(EMI)

10 Final / Ending
Autores: Philip Glass
Intérprete: OSB - regência: Marcos Arakaki
Editora: Dunvagen Music Publishers Inc.(EMI)
_______________________
FICHA TÉCNICA
em co-produção com
MIGDAL FILMES, GLOBO FILMES e FOX FILM DO BRASIL

apresentam
NOSSO LAR´
Renato Prieto
como André Luiz
com
Fernando Alves Pinto, Rosanne Mulholland, Inez Viana, Rodrigo dos Santos, Werner Schünemann, Clemente Viscaíno
Participação Especial
Ana Rosa, Othon Bastos e Paulo Goulart
Direção de fotografia Ueli Steiger, Asc
Direção de arte Lia Renha
Figurino Luciana Buarque
Produção de elenco Ruy Brito
Supervisão de pós produção Renato Tilhe
Edição Marcelo Moraes
Supervisão de efeitos visuais Geoff D. E. Scott (Intelligent Creatures)
Som direto George Saldanha
Edição de som Alessandro Laroca
Mixagem Armando Torres Jr.
Produção musical Vinicius França
Direção musical Guto Graça Melo
Produtor associado Harold Apter
Co-produção executiva Luiz Claudio Barbosa
Produtora executiva delegada Ilana Brakarz
Produção executiva Luiz Augusto de Queiroz e Elizabeth Marinho Dias
Trilha sonora original Philip Glass
Produzido por Iafa Britz
Roteiro e direção Wagner de Assis
Trilha sonora original Philip Glass
arranjos adicionais e orquestrações Trevor Gureckis
com Orquestra Sinfônica Brasileira
regência Marcos Arakaki
produção musical Guto Graça Mello
produção executiva Vinícius França
Assistente de produção musical Gustavo Modesto
Gravação e mixagem Marcelo Sabóia
Masterização Ricardo Garcia
Todas as músicas compostas por Philip Glass (Dunvagen Music Publishers Inc. -EMI)

Uma Realização Biscoito Fino
Direção Geral Kati Almeida Braga
Direção Artística Olivia Hime
Produção Sylvia Medeiros
Adaptação gráfica Antonia Ratto Design


05-08-2010 ////////

Nosso Lar
Trilha sonora luxuosa com Philip Glass e OSB

Trilha sonora e efeitos visuais são trunfos do filme que chega aos cinemas em setembro.

“Em geral, a trilha sonora fica com o que sobra do orçamento, mas dessa vez foi diferente. Trabalhamos com conforto”. A frase de Guto Graça Mello, diretor musical de “Nosso Lar” e responsável por trilhas sonoras de 38 filmes nacionais, revela uma das grandes apostas feitas pela produção do filme, que estreia no dia 3 de setembro. O investimento pode ser simbolizado pela presença de duas instituições de peso nos créditos: Phillip Glass e a Orquestra Sinfônica Brasileira (OSB).

Um dos maiores compositores americanos vivos, Glass é responsável por temas e trilhas de quase uma centena de filmes, entre eles “Kundun”, “As Horas” e “Notas sobre um Escândalo”, pelos quais foi indicado ao Oscar, além de “O Show de Truman”, vencedor do Globo de Ouro, e “Mishima: Uma Vida em Quatro Tempos”, que rendeu a Palma de Ouro em Cannes pela contribuição artística. Para “Nosso Lar”, produziu oito temas que foram adaptados à métrica das cenas por Guto e sua equipe, e executadas pela OSB, que pela primeira vez em sete décadas de história gravou para uma produção cinematográfica.

“Nunca havia trabalhado com composições de outra pessoa e mexi muito no que ele fez. No início fiquei assustado. Cheguei aos Estados Unidos para mostrar a ele, preocupado, mas Philip gostou muito, o que me deixou muito envaidecido”, confessa humildemente o tarimbado Guto, complementando: “É uma trilha basicamente sinfônica, como as grandes trilhas americanas. Não é aquela coisa miúda que costuma ser feita por aqui”.

A “coisa miúda”, no caso, é a contratação de poucos músicos que, em alguns casos, gravam diversas vezes os mesmos trechos com seus instrumentos. As gravações são sobrepostas para simular uma orquestra. A qualidade, porém, não pode ser comparada à da execução de uma orquestra do porte da OSB. “No mundo inteiro, poucas produções têm esse privilégio porque é caro. Foi uma chance ímpar para nós, ainda mais com músicas do Glass. Espero que isso aconteça outras vezes”, conta o maestro Marcos Araraki, regente assistente da orquestra, citando um clássico ao analisar o trabalho do americano: “Ele conseguiu captar bem o clima das cenas. Há filmes em que a trilha provoca reações e faz toda a diferença, como ‘Psicose’. Em ‘Nosso Lar’, o Glass constrói bem a emoção”.

As participações do renomado compositor e da OSB foram a concretização de um desejo tratado inicialmente como sonho pelo diretor Wagner de Assis. Até o momento em que a produtora Iafa Britz resolveu pagar para ver e ligou para Glass. “Liguei para ele, que gostou do projeto e fez oito temas belíssimos. Não fomos atrás dele por ser um grande nome internacional, pois há grandes músicos no Brasil. A escolha foi pelo estilo. Ele foi o primeiro em que pensamos”, explica Iafa, que tem um pôster do compositor na parede de seu escritório há anos.

Com músicas de Glass, a produtora e Wagner concluíram que precisariam de uma orquestra e procuraram a OSB. Como, nos Estados Unidos, os temas são compostos livremente, sem preocupação com o tempo das cenas, foi preciso chamar um profissional com experiência suficiente para editar a música do americano, caso de Guto. Iafa diz que, graças ao desejo de todos de participar do projeto, o montante gasto ficou dentro da realidade brasileira: “Quando você negocia valores com essas pessoas, elas sabem que não estão lidando com Hollywood. O percentual gasto com a trilha foi pouco superior ao da média dos longas nacionais. No fundo, o Glass e a OSB participaram porque quiseram. Foi uma novidade para todos”.

fonte:http://www.paginadocinema.com.br/reportagens/index/95

Um comentário:

Cícero Alberto disse...

Adorei o filme e sua trilha sonora! Infelizmente ainda não consegui achar o cd com a trilha de Nosso Lar para comprar.