biofisica

SEGUIDORES

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

--> PESQUISA SOBRE ESPIRITISMO NO BRASIL


Está no prelo o livro "Pesquisas sobre o Espiritismo no Brasil: Textos Selecionados". Está sendo feita a pré-venda do livro pela Comissão Organizadora do 5o. ENLIHPE.


O preço de capa é de 25 reais. Para quem comprar ou encomendar o livro para retirar no 5o. ENLIHPE ele sai a 17 reais.

Quem quiser receber em casa paga também a taxa de correio, que está em torno dos 5 reais, o envio normal.

Vendas para livrarias, Centros Espíritas, Distribuidores e Clubes do Livro Espírita: Preços promocionais.

Pedidos para o Centro de Cultura, Documentação e Pesquisa do Espiritismo - Eduardo Carvalho Monteiro, aos cuidados de Edson Santiago ou Wanda Guerreiro. Endereço: Alameda dos Guaiáses, nº 16 – Planalto Paulista – São Paulo/SP Fone: (011) 5072-2211

Pode ser feito depósito ou transferência pela internte para conta bancária no Brasdesco. Informações no CCDPE: 5enlihpe@ccdpe.org.br

Segue aos interessados a introdução do livro, com uma apresentação rápida dos temas e autores.

"O Brasil é o país com o maior número de pessoas afiliadas a sociedades espíritas em todo o mundo. No último censo, há quase dez anos, 2,2 milhões de pessoas se declararam espíritas ao Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística e este segmento apresentou a maior média de escolaridade (9,6 anos de estudo). Simpatias à parte, quando se constata que o movimento espírita tem mantido seu percentual da população em nosso país nos últimos 50 anos, enquanto diminuem os que se declaram católicos e aumenta vertiginosamente os que se declaram evangélicos ou sem religião, era de se esperar que a Universidade Brasileira ficasse curiosa quanto ao Espiritismo em três vertentes: o movimento espírita, os fenômenos espíritas e a filosofia espírita.

Infelizmente, são recentes os estudos sobre a primeira vertente. Apenas um grupo de pesquisa do banco de dados do CNPq em todo o país apresenta a palavra Espiritismo como linha de pesquisa (três são encontrados com alguma menção ao Espiritismo em suas bases), nenhum apresenta o termo filosofia espírita, ou história do Espiritismo como objeto de estudo, nem mesmo nas universidades que apresentam cursos de ciências da religião. Não é curiosa esta negligência para um fenômeno social tão relevante para o entendimento da brasilidade, ou, até mesmo do ser humano?

Apesar da falta de visibilidade pesquisas têm sido realizadas no Brasil, seja na Universidade, seja fora dela. A antropologia tem sido o campo de conhecimento que mais se interessou pelo Espiritismo como manifestação cultural e social, e o tema parece ter se legitimado com o interesse da Escola Francesa, que tem realizado trabalhos sistemáticos, como é o caso de Marion Aubrée e François Laplantine. Aqui e ali surgiram trabalhos na Física (isto mesmo, Física), na Administração, na Medicina e em outros campos do conhecimento, mas são iniciativas isoladas e motivadas por interesse pessoal.

Como o movimento espírita se interessa pelos trabalhos acadêmicos, há cerca de dez anos surgiu uma iniciativa de um psicólogo interessado pela preservação da memória do movimento. Eduardo Carvalho Monteiro foi convidando e agrupando pessoas interessadas no Espiritismo, não necessariamente espíritas, e propôs a criação de uma associação virtual (Liga de Historiadores e Pesquisadores Espíritas - LIHPE), que ganhou corpo com a iniciativa de Milton Piedade ao fundar-se um grupo virtual na internet para o intercâmbio entre interessados no Brasil e no Exterior. Do grupo vieram as reuniões presenciais, iniciativas de apoio a publicações, parecerias com periódicos espíritas e outras ações de divulgação do conhecimento, mas seguramente o projeto mais audacioso foi a fundação do Centro de Cultura, Documentação e Pesquisa do Espiritismo, que com a desencarnação de seu idealizador e principal doador do vasto acervo bibliográfico e documental, recebeu seu nome como justa homenagem.

Como instituição para-acadêmica, semelhante a tantas outras no exterior, o CCDPE tem apoiado as iniciativas de produção de conhecimento e mesmo ante a escassez de recursos, não tem se furtado a apoiar a publicação, a oferecer o espaço físico para iniciativas consistentes com seus objetivos e nos últimos anos tem sido a sede do Encontro Nacional da LIHPE e colocou toda a sua equipe de apoio à disposição da organização do evento. Este livro é uma das iniciativas conjuntas entre LIHPE e CCDPE e compreende uma seleção de trabalhos apresentados no evento de 2008.

O evento abriu espaço para a inscrição de trabalhos, e sua localização possibilitou uma grande presença de pesquisadores paulistas, mas também de Minas Gerais, Rio de Janeiro, Paraná e Bahia. A divulgação dos temas aceitos atraiu jovens pesquisadores que estavam com seus projetos de pesquisa ainda incipientes, mas que participaram ativamente das discussões dos trabalhos apresentados. Um destes jovens pesquisadores foi o italiano Reginaldo Cerolini, que posteriormente teria seu trabalho de pós-graduação aprovado na Universidade de Bologna.

O intercâmbio pessoal, que tanto valorizamos em Minas Gerais, catalizado pela apresentação da relação de teses e dissertações que tratam de Espiritismo, apresentada pelo doutorando Marco Milani, da USP, gerou uma iniciativa de um grupo de pesquisadores atualmente na Universidade de Franca, de publicar teses e dissertações que tratam do Espiritismo. Neste momento, três livros estão no prelo e serão lançados no 5º. ENLIHPE, em setembro de 2009. Esta iniciativa fortalecerá o Centro de Cultura.

Neste pequeno livro, o leitor encontrará inicialmente um levantamento das teses e dissertações de mestrado e doutorado com temática espírita, produzidas entre 1989 e 2003 que ficaram registradas nos arquivos da CAPES (Coordenadoria de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior). Não é uma lista exaustiva, mas muito criteriosa e o autor está aceitando indicações de trabalhos que estejam fora da sua estratégia de pesquisa, mas que contemplem sua intenção de registrar e informar.

O segundo capítulo trata da intolerância contra o Espiritismo. Ao contrário do que se imagina, este tema abre novas possibilidades de compreensão da trajetória do pensamento espírita, porque traz à luz o que está no porão da História. Em seu nascimento e ao longo dos anos o movimento espírita de diversos países sofreu agressões e pressões que não se resumem ao democrático exercício da crítica.

O terceiro capítulo, escrito por um pesquisador independente, é um estudo de revisão das obras de Claude Bernard, com alguma incursão em seus comentaristas. Paulo Henrique surpreende a Universidade Brasileira, que hoje ensina que o médico francês é uma das grandes expressões do século XIX na defesa de uma medicina sem o conceito de fluido vital. Ele mostra como Bernard era um vitalista a sua moda, ou seja, não rejeitou jamais esta teoria, apenas seus excessos e nunca reduziu a fisiologia ao estreito paradigma naturalista da físico-química.

O quarto capítulo vem de um jovem escritor baiano, que dedicou anos de estudo e trabalho à recuperação de fontes pouco conhecidas da médium Yvonne A. Pereira. Entrevistas radiofônicas e jornalísticas de periódicos espíritas de pequena circulação foram compulsados, o que lhe deu uma bagagem interpretativa e a possibilidade de um olhar inovador sobre sua obra.

No quinto capítulo o leitor encontrará outra análise expressiva de um outro ator importante ao movimento espírita. Este trabalho de Flávio Tavares sobre seu pai, Clóvis Tavares, ex-militante do partido comunista, convertido ao pensamento e à ação social espírita, é uma espécie de diálogo (talvez um desabafo) contra uma dissertação de mestrado defendida no conhecido CPDOC da Fundação Getúlio Vargas, que conta uma história após a qual uma de suas principais fontes, a mãe de Flávio, não reconhece seu discurso gravado e transcrito, mas implacavelmente interpretado à moda do escritor.


O sexto capítulo, escrito pela Professora Nadia Lima, da Universidade de Franca, é um retorno no tempo à Uberaba de Chico Xavier, na qual uma auxiliar de enfermagem e um grupo de simpatizantes do Espiritismo fundam a partir de uma decisão médica de se colocar na rua portadores de pênfigo foliáceo. A mestre em História, influenciada pela Nova História Cultural, trata de uma lacuna curiosa da História da Saúde, simpática aos grandes médicos, às decisões e políticas de âmbito nacional e aos grandes empreendimentos; uma história faraônica, que no seu silêncio despreza as minorias sem voz.

O sétimo capítulo, escrito por Adolfo Mendonça da mesma região da Profa. Nadia é calcado na proposta de se fazer uma narrativa analítica da vida de José Marques Garcia, ao redor do qual se vê o renascimento do movimento espírita de Franca em uma concepção não apenas experimental ou mediúnica. Apesar de sucinto, possibilita ao leitor informado uma análise transversal com outros atores importantes e de outras localidades geográficas do movimento espírita brasileiro, como Bezerra de Menezes, Batuíra e Guilherme Taylor March, cujos estudos mais conhecidos no ambiente acadêmico focalizam muito a efervescente capital do império que se torna república e talvez pontualmente a mineira Sacramento de Eurípedes Barsanulfo.

O oitavo capítulo, oriundo de uma dissertação de mestrado em Literatura, faz uma esforço de hermenêutica de algumas crônicas de Irmão X, que são associadas ao conhecido processo de 1944, movido pela viúva do escritor Humberto de Campos contra Chico Xavier. Alexandre Caroli Rocha, hoje doutor, desvenda o olhar testemunhal do autor espiritual sobre o processo, que usa dos seus vastos recursos de escritor para comentar em crônicas e contos, e talvez discutir com o médium e a sociedade de sua época os fatos que marcariam o futuro das ações movidas na justiça contra médiuns no Brasil.

O nono capítulo é mais uma peça do quebra-cabeças do Espiritismo Brasileiro no início do século XX. Alexandre Ramos se debruça sobre a noção de caridade e a construção de abrigos espíritas para a infância, tendo como ator importante na sua constituição Leopoldo Cirne, e como pano de fundo as relações entre o movimento espírita e a igreja católica. Cirne é outro personagem pouco conhecido, seja pelo movimento espírita, seja pelos historiadores, pelos primeiros possivelmente pelo roustainguismo que polarizou e polariza espíritas ainda nos dias de hoje Brasil afora.

O décimo capítulo conclui esta seleção de trabalhos com um estudo de caso sobre as ações mais contemporâneas do jornal Correio Fraterno na preservação da memória. Izabel Vitusso,, atual editora do jornal, também não se furta a tratar da constituição do Correio e de sua experiência pessoal, memórias que remontam à infância uma vez que Raymundo Espelho foi um dos trabalhadores silenciosos da manutenção ininterrupata de um periódico de quarenta anos de idade, de uma das cidades satélite da capital de São Paulo.

Apesar de prejudicado pelo pouco espaço concedido por um dos organizadores do evento (mea culpa) aos autores, e inegavelmente simpático ao movimento espírita, apesar do esforço de seus autores no respeito à metodologia alcunhada científica de pelo menos quatro campos diferentes do conhecimento, o livro abre perspectivas, inicia diálogos e funciona como um sinal de que o desdém e o preconceito contra o estudo do Espiritismo está mudando e a Universidade Brasileira está se interessando por uma minoria brasileira e uma forma de conhecimento que institucionalizou-se e insiste em prosseguir sua trajetória há muito mais que um século."
Postado por Jáder Sampaio às 7:32 AM
FONTE:hhttp://espiritismocomentado.blogspot.com/2009/08/encontro-nacional-da-lihpe-lanca-livro.htmlttp://espiritismocomentado.blogspot.com/2009/08/encontro-nacional-da-lihpe-lanca-livro.html

Um comentário:

LIVRO DIGITAL - LUIZ DOMINGOS DE LUNA disse...

Tanta existência - Por quê?
Luiz Domingos de Luna*


Às vezes começo a viajar no infinito, percorro na minha medição, as tantas formas existentes, são planetas, estrelas, luz, escuridão, quasares, gargantas de buracos negros são tudo uma imensa interrogação. Planetas lindos, inculisve, solitários, amorfos, gelados, consistentes, as mais das vezes verdadeiras obras de arte, obras de arte que, talvez nunca seja apreciada pelos seres humanos. E triste saber que a humanidade ainda não pode contemplar todo este carrossel existencial, giratório, de um passo de uma galáxia para outro é um questão de fração de segundos, o mais interessante são as formas, todas as formas são totalmente diferentes, na verdade não existe igual ou semelhante à outra. Tudo é encantador, talvez o encantamento seja o fato de a cada pisada tudo ser diferente, o que causa repugnância é realmente a primeira pisada, a gente sempre tem a impressão de que está em outro mundo.

Nunca passa pela nossa cabeça de que estamos no mesmo universo. O que chama a atenção não é bem a pisada em si, mas a compactação da pisada, não sei se é um fator psicológico ou não, mas parece que estamos pisando em uma geléia, ou algo que vai nos afundar, talvez a gravidade no planeta terra seja o responsável por esta sensação estranha, na verdade me sinto um estranho, um invasor, um desbravador, um pioneiro de uma história que talvez nunca acontecerá, até porque, as nossas atividades no planeta terra não oferecem esta oportunidade de forma plena para o pensar humano nesta dimensão. Talvez um impedimento psicológico, o medo do desconhecido, a certeza de um vazio que jamais tem fim.

Outro dia eu fui até os confins do universo, foi um passeio maravilhoso, não tem como explicar, o eixo giratório do universo consegue apagar toda a sensação da compreensão do que temos como real aqui na terra. Confesso que a viagem foi muito divertida, pois, tudo no universo não se repete é sempre o nascimento de um novo mundo - me senti a pessoa mais feliz do mundo, eu pensava que aquele passeio era um presente único, que eu tinha sido o escolhido para contemplar e apreciar o universo como um todo. Na verdade, quando eu já tinha atravessado boa parte do universo, por um impulso, que não sei explicar o porquê - pedi para o meu guia parar a nave - por alguns instantes, o que fui atendido prontamente. Parei e entendi o motivo de minha solicitação, é que, no meu íntimo, o meu referencial é o planeta terra, e eu queria ver a minha querida e amada terra.

Levei um susto muito grande, procurei a terra, pedi a meu guia uma luneta, girei a luneta em todos os sentidos e nada de terra. Quando eu vi que não tinha condição de ver a terra que se encontrava a anos luz de distância, entrei em desespero, depressão, crise de pânico, enfim, só me vinha à certeza de que eu estava perdido no universo; ou o contrário, o universo sem terra não é universo, presumo que se fosse outra pessoa que tivesse esta oportunidade teria continuado a viagem sem nenhum prejuízo para, se iria ter ou não um referencial para viver, ou dizer - eu sou um sem humano com terra, ou sem, para mim foi como uma fatalidade -se a terra não está presente, eu também não estou, diante deste raciocínio tolo, tive que retornar o planeta terra e deixar de contemplar todas as maravilhas do cosmo.

(*) Professor da Escola de Ensino Fundamental e Médio Monsenhor Vicente Bezerra – Aurora (CE).